Páginas

7 de fevereiro de 2011

Comidas... o que fazer quando tudo ao seu redor parece explodir?

Meu organismo resolveu virar vegetariano.
Digo meu organismo por que é vontade dele, não minha. Eu adoro carne vermelha, a textura, o sabor, o cheiro dela tostando na grelha... Mas meu organismo não.
Ele grita: Coma milho!!! Cultue os Astecas!! Ou então: "Ervilhas pela Paz Mundial!!" e quem sabe ele ainda há de berrar: "Brócolis, te consideramos Método!!" - este foi um momento ocultista de minha pessoa, imaginei o Brócolis presidindo um rito de Iniciação Místico, exigindo o sacrifício de um pacotinho de toicinho defumado... - certo, esqueçam esta parte.
Esta noção acerca de meu corpo me fez refletir sobre os transtornos ocasionados por alimentos em nossas viagens. Quem nunca perdeu um dia inteiro por conta de uma comida que não estava totalmente morta quando foi consumida, e desceu goela abaixo, clamando por justiça? Ou então, pior que isso, a comida que já estava morta a muito tempo, e o aquecedor onde ela se encontrava mais parecia um posto de atendimento do IML, aguardando a família para a liberação do cadáver. E nada da coxinha chegar para liberar o corpo do pobre kibe frito. Então apareceu você, e o dono do estabelecimento decidiu doar o cadáver do kibe para estudos, dentro de seu estômago... Doar nada, aposto como você pagou pelo menos 2 reais por ele, certo?




Me lembrei de uma situação parecida com a citada acima, vivida por mim, mas foi com um pão com manteiga. Estava a caminho de Buzios, na estrada entre o Rio e a região dos Lagos. Tudo ali é lindo, a viagem é maravilhosa. Cabo Frio, Buzios, Arraial do Cabo... Vá, não hesite. Mas leve seu farnel, é minha dica. Seu corpo ainda vai me agradecer por isso.
Estamos muito acostumados a bom atendimento em postos rodoviários aqui na região Sul, e na região Sudeste dentro do estado de São Paulo. Contudo, este é um triste fato: Não há postos de conveniência decentes acima da cidade do Rio de Janeiro. Tudo vai ficando cada vez mais abandonado, sem controle de qualidade, sem higiene, é triste. Sei que existem destinos mais tristes ainda com relação a alimentação - quem já viajou para o Peru por exemplo sabe disso - mas, são outros países. Aqui falamos da dificuldade dentro do mesmo estado.
Pois bem, eu morta de fome, paramos em um posto que parecia ser o "menos pior". Toda vez que esta expressão vier a sua cabeça se lembre: Pense positivo sempre mas não se engane, menos pior é ruim de qualquer jeito!! E era... O lugar era verde, daqueles verdes fusca, anos 70, com mesinhas de madeira, toalhas plásticas quadriculadas, chão de "vermelhão" - piso de cimento encerado, se lembram? Coisa de casa de avó - e tudo cheirava a gordura velha. Era o local "menos pior".
Sempre dizem que a fome é a melhor cozinheira. Senti que naquele dia ela deixou queimar o feijão... A coisa estava feia. Eu morrendo de fome e nada apetecia. Eu queria comer mas não sabia o que, queria usar o banheiro mas não tinha coragem alguma, eu queria minha mãe, resumindo tudo. Olhei para o tal misto quente e me pareceu a opção mais razoável. Pedi a moça - aliás muito simpática, com um sorriso muito grande e bonito - que me fizesse o sanduiche. Ela era uma daquelas mulatas do Rio mesmo, cabelos trançados, toda cheia de "marra" para falar, sorria muito, era divertidíssima. Tanto que me esqueci daquela nojeira toda e comecei a conversar com ela, era muito engraçada. Aí ela com as duas fatias de pão na mão, foi espalhar a manteiga, e vi o tamanho das unhas... Lembram das unhas da Alcione?? Por aí... Pior, vi as unhas entrando no pote de manteiga junto com a faca, e saindo, lustrosas... E ela: Benhê, você pediu pouca manteiga, cerrrto? E eu, sei lá por que sem palavras: Sim Tia, mas agora pode ser sem manteiga mesmo - suando frio naquele calor desgraçado. Ela: Ahhh, manteiga dá sussstância bem, come sim!
E veio o sanduiche, e desceu pela minha garganta feito óleo de rícino. Descobri alguns minutos depois como é um exorcismo bem sucedido e também por onde os demônios saem... Ah! E que eles tem garras... E praticam Jiu Jitsu... E não se entregam sem lutar!!!!!
Farnelzinho é a minha dica de hoje. Como nossas mães faziam: Pães, frutas, água, umas bolachinhas, café. Não é preciso mais que isso, e este cuidado pode te poupar uns dois dias de Rainha, com toda certeza.
Grande abraço!

6 comentários:

  1. Ahhh, a azia...
    Nada como um frango empanado pra te lembrar do posto de parada pelo resto da viagem.

    ResponderExcluir
  2. Tenho medo de frango empanado e de frango vendido cortado para consumo "a passarinho". Um amigo que trabalhou em frigorífico comentou que o frango muitas vezes é cortado desta forma para que se jogassem fora as partes que apodreceram e se aproveitasse alguma coisa ainda... Pensa...

    ResponderExcluir
  3. Por isso a dica do dia é:

    Compre uma coca-cola e bolachas no pacote. (verifique a validade antes)

    Hahahaha.

    ResponderExcluir
  4. =)
    Curti o blog, Carla !
    Acompanharei.
    Beijo !

    ResponderExcluir
  5. Sempre quando viajo e peço aquela comida que até está bonita mas, na primeira garfada a gordura da fritura inunda o prato me vem uma idéia a cabeça:
    Seria possível o ministério do desenvolvimento, do turismo ou quem sabe criar um ministério da culinária pra ajudar os restaurantes a se desenvolver oferecendo cursos de como utilizar o óleo para frituras !?
    Já no seu caso margarina passada com a unha é totalmente zé do caixão kkkkk

    um abraço Carlita

    ResponderExcluir
  6. Bah!

    Quantas vezes meu organismo teneou tornar-se Vegetariano e cultuar os Vegetais... Mas vivendo aqui no Rio Grande do Sul, a egrégora predominante é a que diz que devemos comer e conhecer de cor e salteado, TODAS AS PARTES DA VACA...

    A Lei aqui é não colocar as palavras "Gaúcho" e "Vegetariano" na mesma frase.

    LOL, ótimo texto.

    Bjus

    ResponderExcluir